PSICOTERAPIA E PSICOLOGIA – O estudo do comportamento humano

psicoterapia transpessoal parte do pressuposto de que o ser humano possui uma tendência inerente para curar-se e evoluir, tendo consciência do sistema corpo/mente como um todo integrado auto-organizador, portanto capaz de integrar as suas experiências e realizar-se em harmonia com o seu meio ambiente (visão holística).

Os sintomas psicológicos representam elementos bloqueados da experiência e a finalidade da terapia é facilitar o processo de integração pessoal, ajudando o paciente a completar a Gestalt experimental.

O que é a psicologia

Num sessão de Psicologia o terapeuta e o paciente devem estar num estado de intensa comunhão consciente, concentrando-se o terapeuta totalmente na experiência do paciente e considerando profundamente todas as expressões verbais e não-verbais a partir de uma posição de empatia e respeito incondicional. O terapeuta não desempenha um papel dominante, mas torna-se o facilitador de um processo em que o paciente é o principal protagonista e tem plena responsabilidade.

O que é a psicoterapia

Em psicoterapia, além de todos estes mesmos pressuposto, passamos de uma dinâmica conversacional, para um mergulho profundo do subconsciente do consulente.

Aqui avaliamos mais do que as palavras, mais do que o discurso verbal e não verbal, mais do que é consciente, mais do que as histórias construídas na sua memória. Avaliamos a totalidade do ser com todas a suas dimensões. Mental, emocional, física, energética e espiritual. A data de hoje está perfeitamente mapeada a tríade entre

 

MENTE 

 

 CORPO/PLANO DA MATÉRIA                                                                                             EMOÇÃO

CADA PENSAMENTO, GERA UMA EMOÇÃO, QUE GERA UM SINTOMA NO NOSSO CORPO FÍSICO.

Pela análise dos sintomas/ doenças físicas e pelo estudo dos ciclos e padrões de vida, conseguimos identificar qual o sistema de crenças instalado e as emoções que estão bloqueados do sistema emocional. O trabalho que é feito é de um trabalho profundo de auto-descoberta e de uma viagem ao subconsciente do consulente para um verdadeiro resgate da sua identidade. Cada ser humano veio com um set de recurso, ferramentas internas e dons que raramente são reconhecidos. Na religação a esses recursos, são activados estados de consciência perdidos ou esquecidos. Este trabalho propõe a auto-realização do individuo, ajudando-o no transformador processo de desidentificação com do ego.

Se quiseres saber mais deixamos-te o link de acesso ao nosso blog: https://www.terapiasdamente.pt/psicoterapia/

O trabalho transpessoal

Para liberar as experiências bloqueadas do paciente o terapeuta dirige a atenção para vários padrões de comunicação, interpessoais e internos, com a finalidade de intensificar a consciência do paciente quanto aos detalhados processos físicos e emocionais envolvidos. Esse ampliar da consciência tem o propósito de tornar possível o estudo especial em que padrões experimentais se tornem fluidos (catarse), e o organismo inicia o processo de autocura e integração. O objetivo da terapia é facilitar o processo de integração das experiências transpessoais com suas formas ordinárias de consciência no processo de crescimento interior e desenvolvimento espiritual.

O processo terapêutico pode ser considerado uma aventura de auto-exploração. É importante que o terapeuta crie uma atmosfera especial de apoio para intensificar a experiência do paciente e o potencial de realização, facilitando o expressar das experiências e ajudando o paciente a vencer resistências.

A estratégia básica dessa nova psicoterapia experimental requer, para que sejam obtidos os melhores resultados terapêuticos, que tanto o terapeuta como o paciente deixe de lado tanto quanto seja possível, suas respectivas estruturas conceituais, as previsões, os pressentimentos e as expectativas, durante todo o processo experimental.

Ambos devem se mostrar abertos e ousados, prontos para seguir o fluxo da experiência com confiança profunda em que o organismo descobrirá seu próprio caminho para curar-se e evoluir. Ao se aventurarem a fundo nos domínios existenciais e transpessoais da consciência humana, o psicoterapeuta tem que estar preparado para enfrentar experiências às vezes tão incomuns que desafiam qualquer tentativa de explicação racional.

A psicologia é hoje em dia comumente definida como a ciência que estuda o comportamento e os processos mentais. Como tal, leva em conta o desenvolvimento, a aprendizagem, a percepção, a memória, o pensamento, o sentimento, a emoção, a linguagem, a motivação, a inteligência, a personalidade e o ajustamento ao meio ambiente: família, trabalho, grupo social e suas influências.

Enfim a prática clínica visa à busca da integração psíquica e do auto conhecimento,

Psicologia Transpessoal

A Psicologia Transpessoal, veio para nos ajudar a compreender que trazemos para nosso dia-a-dia os conteúdos da memória extra cerebral (conteúdos desenvolvidos antes deste nascimento) que estão presentes em todos nós, nos influenciando de maneira decisiva em nossas escolhas. O modelo desenvolvido para entendermos esta nova teoria foi:

Subconsciente: arquivo de todas experiências vividas, nesta ou outras vidas e que quando é acionada, devolve todas as informações armazenadas.

Consciente: o momento presente, o real, o que vivo agora, tudo que vivo, mando para o arquivo e lá fica à minha disposição, bastando ser acedido.

Superconsciente: é o Eu Superior, é na minha mente a presença de Deus Em Mim. Quando tenho contato com esta minha parte da mente, sou verdadeiramente feliz. Estou em harmonia com o universo. Poucas vezes consigo aceder o Superconsciente, pois fico sempre na falta de paz e harmonia, entre o Subconsciente e Consciente. Quando mantenho meu Consciente em tranquilidade e aceitação de mim mesmo, abro a porta do Superconsciente.

Assim sendo, volto a chamar a atenção de todos de como é importante decidir agora o que penso, melhorar meu nível de pensamentos, ser amoroso com a vida, com as pessoas, parar de reclamar e de se sentir vítima e coitadinho.

Sendo assim, você está sendo apenas um chato, um ser desagradável e seu caminho do equilíbrio, é de aprender a se pegar no colo, ser seu próprio pai, sua própria mãe, aprender a se nutrir, não esperar mais nada dos outros; você, fazer suas coisas por você, aprender a ser livre, a ser independente e feliz!

O papel da Psicoterapia nesta fase é fundamental.

O ESPECTRO DA CONSCIÊNCIA

Um dos sistemas didáticos, em psicologia, que procura integrar os diferentes insights das várias escolas psicoterapêuticas do ocidente entre si, e estas com as várias abordagens orientais, é a Psicologia do Espectro, proposta por Ken Wilber, como um modelo da compreensão transpessoal das diferenças entre psicoterapia. Nele, cada uma das diferentes escolas é vista como uma faixa que se dedica a um aspecto específico do total a que se pode apresentar a consciência humana. Cada uma dessas escolas aponta para um estado de consciência que se caracteriza por possuir um diferente senso de identidade, indo da pequena identidade restrita ao ego até à suprema identidade com todo o universo, que é o nível extremo da consciência transpessoal. Este espectro pode ser entendido a partir de quatro níveis: o do ego, o biossocial, o existencial e o transpessoal.

No nível do ego, a pessoa não se identifica, a rigor, com o seu organismo, mas com uma representação mental, ou com um conceito do mesmo, como uma auto-imagem construída, ou egóica. É, pois, um problema de identificação com um modelo que a pessoa aceita, num investimento, como sendo seu “eu”. Existe – para ela – um “eu” que é diferente e independente de tudo e de todos. A pessoa não se interessa muito em cultivar relações interpessoas sem que haja uma vantagem específica para o ego, e muito menos se preocupa com aspectos ecológicos ou sociais.

nível biossocial já envolve a consciência e a preocupação com o nível e com os aspectos do ambiente social da pessoa. A influência preponderante é a de padrões culturais e sociais. A pessoa sente como fazendo parte – e tendo alguma responsabilidade – pelo seu meio-ambiente social e natural.

nível existencial é o nível do organismo total, caracterizado por um senso de identidade corpo/mente auto-organizador. É o nível dos ideais humanistas e do pensamento mais sofisticado, em termos de filosofia de vida. Emoção e razão estão mais ou menos associadas para o crescimento e o desenvolvimento das potencialidades do homem, desde que os meios sejam razoavelmente propícios. Quando não, ainda assim a pessoa luta para se auto-atualizar e a ajudar seus semelhantes. Alto grau de desenvolvimento moral é freqüentemente associado a este estágio.

nível transpessoal é o nível da expansão da consciência para além das fronteiras do ego, correspondendo a um senso de identidade mais amplo. Elas podem envolver percepções do meio ambiente, onde tudo está, de uma forma sutil, mas muito presente, ligado – de forma NÃO LINEAR – a tudo. É o nível do inconsciente coletivo e dos fenómenos que lhe estão associados, tal como descritos por Jung e seguidores. É também neste nível de percepção que podem – mas não necessariamente ocorrem ou são regra geral próprias de uma percepção transpessoal – surgir, como eventos secundários, certos fenómenos parapsicológicos, como telepatia, precognição ou – o que não tipifica um fenómeno parapsicológico, mas sim psicológico – lembranças de vidas passadas. É uma forma extremamente sofisticada e não ordinária de consciência em que a pessoa não aceita mais a crença uma separação rígida entre ela e todo o universo, a não ser como uma forma de atuar praticamente sobre o meio em que vive com outras pessoas. Essa forma de consciência transcende,e muito, o raciocínio lógico convencional, e aproxima-se das assim chamadas experiências místicas. E é este estado que é objeto mais íntimo de estudo da Psicologia Transpessoal.

Enfim, para terminar, é preciso definir o relacionamento entre a prática da psicologia transpessoal e os enfoques tradicionais de psicoterapia. O que caracteriza um terapeuta transpessoal não é o seu conteúdo, mas o contexto. O conteúdo é determinado pela relação terapêutica em si, entre cliente e terapeuta, como bem o estabeleceu Carl Rogers. Um terapeuta transpessoal lida com os problemas que emergem durante o processo terapêutico, incluindo acontecimentos mundanos, fatos biográficos e problemas existenciais. O que realmente define a orientação transpessoal é um modelo da psique humana que reconhece a importância das dimensões espirituais e o potencial para a evolução da consciência. O terapeuta transpessoal deve ser consciente do espectro total e deve sempre acompanhar o cliente a novos campos experiências, quando há oportunidade, não importando qual o nível que o processo terapêutico esteja focalizando.

Contacte-nosteremos muito gosto em esclarecer as suas dúvidas sobre Psicoterapia.

Partilhar este artigo:
Comentar